@caio_acpa
Mesmo que eu tente esconder, mesmo que eu tente não me mostrar. Mesmo que eu disfarce. Eu sinto tudo demais. E é por isso que às vezes as coisas doem tanto.
Clarissa Corrêa.    (via auroriar)
Sou sentimental mesmo. Qualquer coisa me machuca, por menor que seja. E as vezes, eu só queria que as pessoas percebessem isso. Notassem esse meu jeito complicado de ser. Antes de me machucar.
Allax Garcia.    (via auroriar)
E eu continuo indo, seguindo meu caminho. Mudando, errando, mas principalmente, aprendendo com o que eu erro. Não me preocupo se minha evolução é lenta, contanto que ela seja pra melhor.
Tati Bernardi (via romantizar)
Porque todos os dias eu nasço de novo, com a esperança que a tristeza fique na outra vida.
Tati Bernardi  
Todo mundo sente uma vontade de contar sua história.
E de reviver uma época de sua vida. Um momento. Uma fase.
A infância esquecida. A descoberta da vida. A primeira decepção, a segunda decepção…
Aquela fase que tudo parece mais fácil, tudo parece girar ao nosso favor.
E sua maior preocupação era fazer a lição de casa que ficou esquecida num canto qualquer.
Crescer é difícil.
E você sente como se o passado fosse melhor que o agora.
E deseja voltar.
Mas essa infância não tem como voltar. Esse momento não tem como reviver.
Nessa estrada de nome “Vida” não tem placas de retorno. Apenas, “siga em frente.”
Com dor, ou sem dor, é preciso seguir!
-Caio Araujo
— Doeu?
Suspirou.
— Claro que doeu, mas ninguém precisava saber, então sorri.
Lucas Gabriel   (via epdemic)
Hoje eu queria um abraço daqueles que te sufoca de tão apertado e te protege de tudo.
Caio Fernando Abreu   (via epdemic)
Não tenho nada a ver com o que é dos outros, sejam roupas, gostos, opiniões, não me escalo para histórias que não são minhas, não me envolvo com o que não me envolve, não tomo emprestado nem me empresto. Se é caso sério eu me dôo, se é bobagem eu me abstenho, tenho vida própria e suficiente pra lidar, sobra pouco de mim para intromissões no que me é ainda mais estranho do que eu mesma.
Martha Medeiros (via epdemic)
Tolo é quem põe culpa no amor por não ser sábio o suficiente para amar.
Acrescentada. 
A gente precisa mesmo é ser precisado. Sentir-se essencial ao invés de especial. Sentir que não vai deixar saudades, e sim um buraco enorme no peito se partir. Ás vezes a gente provoca ciúmes pra ver se ele realmente existe. A gente é dependente de atenção, e se não o tiver, a gente chama. O que a gente precisa é de gente que seja da gente. De verdade, por inteiro, não só até a próxima festa, mas de janeiro até janeiro.
Juliana Ribeiro. (via resigno)